policiais-tentam-retirar-o-blo-cnen-500.jpg

Cerca de 20 ativistas bloquearam na manhã desta quinta-feira as entradas da sede da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), no Rio de Janeiro, se acorrentando às grades das portas do prédio. O protesto do Greenpeace contra os 20 anos de descaso em relação às vítimas do acidente do césio-137, ocorrido em Goiânia, também critica a retomada do programa nuclear brasileiro e a possível construção da usina Angra 3. O protesto exige o fim do programa nuclear brasileiro e a indenização para as famílias vítimas do Césio-137.
Na calçada em frente ao prédio foi cimentada
Os ativistas chegaram pouco antes das 10 horas da manhã à rua da sede da CNEN, em Botafogo (zona sul do Rio de Janeiro) e bloquearam as três entradas do prédio, usando correntes, algemas e canos. Não houve confronto. Em seguida, uma placa de metal, representando um memorial em homenagem aos 60 mortos e às 6 mil pessoas contaminadas no maior acidente radioativo em área urbana do mundo, foi cimentado à calçada.Uma carta assinada pelo Greenpeace foi enviada ao presidente da CNEN, Odair Dias Gonçalves, com cópia para os ministros Marina Silva (Meio Ambiente) e Sérgio Rezende (Ciência e Tecnologia); o secretário estadual de Meio Ambiente do Rio de Janeiro, Carlos Minc; e presidente do Ibama, Bazileu Alves Margarido Neto, explicando os motivos do protesto desta quinta-feira em frente à sede da CNEN e reafirmando a posição do Greenpeace contra a retomada do programa nuclear brasileiro.Manifestações foram realizadas ao longo da semana em Salvador e São Paulo, com ativistas vestidos de preto deitando no chão numa simulação de morte coletiva, em lembrança da tragédia ocorrida em Goiânia em 1987.
A tragédia do césio 137, ocorrida em setembro de 1987, é até hoje considerada como o pior acidente radiológico ocorrido em área urbana do mundo e serviu para mostrar ao Brasil os efeitos devastadores de um acidente nuclear. Passados 20 anos, pouca coisa mudou: o Estado não reconhece nem ampara todas as vítimas, não tem capacidade estrutural de lidar com as instalações nucleares já existentes e não resolveu definitivamente a questão do lixo radioativo. Ainda assim, o governo do presidente Lula quer investir bilhões de reais de dinheiro público na construção da usina nuclear Angra 3 e no ciclo de enriquecimento de urânio, o que deve agravar os problemas de segurança já existentes. É simplesmente inaceitável. A sociedade brasileira deve se mobilizar para dar uma resposta à altura: não queremos a ameaça nuclear.

Fonte: Greenpeace

Anúncios