a-crop-circle-x-marks-location500.jpg

O governo francês pretende suspender a liberação de transgênicos no país até que o país tenha uma legislação dura o suficiente para impedir a contaminação genética, que já vem ocorrendo. Enquanto isso, o Brasil aprova mais uma variedade geneticamente modificada de milho. A França, assim como o Brasil, é uma grande potência agrícola, sendo o principal produtor da Europa. Lá, apenas uma variedade transgênica de milho – a MON810, da Monsanto – está autorizada para ser comercializada no país, mas o governo já pensa em rever isso.
O ministro francês do Meio Ambiente, Jean-Louis Borloo, declarou que a França deverá congelar a liberação de toda e qualquer variedade geneticamente modificada até que seja elaborada uma legislação que garanta a biossegurança do país. Foram plantados este ano 22 mil hectares do milho transgênico na França (0,75% das terras agricultáveis do país), um número quatro vezes maior do que no ano anterior, e esse aumento vem provocando inúmeros casos de contaminação das plantações convencionais. “Sobre os transgênicos, todo mundo está de acordo: é impossível controlar sua disseminação. Então nós não vamos assumir esse risco”, afirmou Borloo na entrevista que concedeu ao jornal francês Le Monde. De acordo com a matéria do Le Monde, o governo francÊs está preparando o anúncio da suspensão nas vendas de sementes transgênicas no país para uma conferência nacional sobre meio ambiente que acontecerá em outubro.
Enquanto isso, em terras brasileiras, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou também na quinta-feira a liberação comercial da terceira variedade de milho transgênica do país, desta vez o Bt11 da Syngenta.
Um grupo de gestantes foi até a reunião da CTNBio protestar contra a liberação, exigindo saber porque os integrantes da Comissão ignoraram em sua análise questões que podem colocar em risco a saúde de mães e bebês – o milho é o alimento básico mais consumido no Brasil.
O Greenpeace se mostrou satisfeito ao ver que o ministro do Meio Ambiente francês reconhece que a disseminação dos transgênicos está sem controle e que isso representa um risco para o meio ambiente e espera agora que sejam tomadas medidas concretas para banir, o quanto antes, o cultivo de transgênicos tanto na França como no Brasil.

Fonte: Greenpeace

Anúncios