greenpeace-executive-director500.jpg

O presidente George W. Bush discursou nesta sexta-feira durante o encontro promovido por ele na capital americana entre os países mais poluidores do mundo e em nada contribuiu para ajudar na redução do aquecimento global. Ele defendeu a criação de um fundo internacional para o desenvolvimento de tecnologias limpas de geração de energia e reafirmou sua posição de não aceitar um estratégia global para combater as mudanças climáticas.
A confiança de Bush que a tecnologia e o engajamento voluntário dos países poderá salvar o planeta é falsa e perigosa. Sem um compromisso concreto dos países industrializados com cortes de emissões de gases do efeito estufa, conforme negociações realizadas dentro do Protocolo de Kyoto, teremos chances muito reduzidas de enfrentar o problema adequadamente.
Para o Greenpeace, o presidente Bush conseguiu provar mais uma vez que está na contra-mão da história e da opinião pública internacional, quando insiste em “salvar” o planeta com mágica tecnológica que permitirá manter o insustentável padrão de consumo americano e a
continuidade da geração de energia suja como carvão, óleo e nuclear.
Mas a boa notícia é que cada vez mais a indústria e os estados americanos estão ignorando seu presidente e se juntando a luta contra o aquecimento global.
Na quinta-feira, ativistas do Greenpeace e outras três ONGs – entre eles o diretor-executivo do Greenpeace EUA, John Passacantando -, foram presos na sede do Departamento de Estado americano, em Washington, durante protesto contra a reunião promovida por Bush.
Lamentavelmente, a reunião de Washington não justificou nem as emissões de carbono dos vôos utilizados pelas delegações presentes.
Precisamos de cortes efetivo nas emissões dos gases de efeito estufa e precisamos já. A ciência é clara – precisamos reduzir as emissões globais até 2015 e isso tem que acontecer dentro do Protocolo de Kyoto.

Fonte: Greenpeace

Anúncios