Conforme já noticiamos aqui, as queimadas este ano começaram a se alastrar mais cedo pelas matas brasileiras. E, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o fogo não tem poupada as áreas protegidas. Desde janeiro, foram 4.045 focos registrados em unidades de conservação, um aumento de 124,3% em relação ao mesmo período de 2009.

A mais prejudicada foi a Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins, que teve 400 quilômetros quadrados queimados – área equivalente à cidade paulista de São Bernardo do Campo. Nas Terras Indígenas, as queimadas também chamam atenção: até agora, 3.563 focos foram identificados, contra 968 no ano anterior.

Pesquisador do Inpe, Alberto Setzer lembra que a temporada de fumaça está só começando: o período crítico é entre julho e outubro. “O que detectamos do início do ano até agora corresponde a algo entre 5% e 10% de tudo que ainda será queimado. De qualquer forma, o início de 2010 está sendo preocupante”, disse, ao jornal O Estado de São Paulo.

Fonte: Greenpeace

Anúncios